8 Versículos que explicam a Quarta Feira de Cinzas na Bíblia

Quarta Feira de Cinzas na Bíblia

A quarta feira de cinzas é uma tradição anual no Brasil que marca o início do período chamado 'Quaresma' para os católicos, assim como outros dias sagrados e feriados religiosos do País.

Confira qual o significado desse dia na Bíblia sagrada. Veja na sequência 9 versículos que explicam a quarta feira de cinzas na Bíblia.

CINZAS NA BÍBLIA


1 - Deuteronômio 28:24  

"Por chuva da tua terra, o SENHOR te dará pó e cinza; dos céus, descerá sobre ti, até que sejas destruído."

Esse versículo refere-se às maldições da desobediência que sobreviriam aos transgressores da lei, cinza ai representa a seca.


2 - 2 Samuel 13:19  

"Então, Tamar tomou cinza sobre a cabeça, rasgou a túnica talar de mangas compridas que trazia, pôs as mãos sobre a cabeça e se foi andando e clamando."

Esse foi o episódio em que Tamar foi violentada pelo próprio irmão Amnom, ambos filhos de Davi.

Aqui a cinza representa profunda tristeza pela humilhação sofrida.

3 - Ester 4:1,3  

"Quando soube Mordecai tudo quanto se havia passado, rasgou as suas vestes, e se cobriu de pano de saco e de cinza, e, saindo pela cidade, clamou com grande e amargo clamor."

"Em todas as províncias aonde chegava a palavra do rei e a sua lei, havia entre os judeus grande luto, com jejum, e choro, e lamentação; e muitos se deitavam em pano de saco e em cinza."

Aqui cinza é a forma dramática com que se demonstra angústia e contrição diante da ameaça do mal, das afrontas e injustiças da vida.

A cinza é basicamente sinônimo de terra, a matéria prima usada por Deus para criar o homem, com isso, se cobrir de 'cinza' é parecido com a 'posição fetal' que se faz em momentos de dor extrema, rememorando o início doloroso da vida. 

4 - Jó 2:8  

"Jó, sentado em cinza, tomou um caco para com ele raspar-se."

Mais uma vez repete-se a figura triste de quando o ser humano depara-se com a calamidade e infortúnio, a cinza se torna a cama de Jó.

5 - Isaías 58:5  

"Seria este o jejum que escolhi, que o homem um dia aflija a sua alma, incline a sua cabeça como o junco e estenda debaixo de si pano de saco e cinza? Chamarias tu a isto jejum e dia aceitável ao SENHOR?"

Nesse capítulo Isaías contrasta meros atos vazios de ostentação, sem o verdadeiro espírito do arrependimento. 

Essas cinzas não possuem nenhuma valor para Deus tendo em vista que os adoradores estão destituídos da atitude contrita, compaixão e arrependimento necessários, que redundariam em boas obras para com o próximo.

6 - Daniel 9:3  

"Voltei o rosto ao Senhor Deus, para o buscar com oração e súplicas, com jejum, pano de saco e cinza."

Aqui Daniel, apesar de ser de um espírito diferente do restante dos cativos de Judá na Babilônia, se coloca na mesma posição deles.

E essa é a atitude esperada de todo adorador, como Jesus cita em Jo 4:24 'Deus é espírito; e importa que os seus adoradores o adorem em espírito e em verdade.'

A cinza aí não é apenas parte de um ritual mas uma representação do sentimento expresso na oração de Daniel e na atitude demonstrada em toda sua vida.


7 - Jonas 3:6  

"Chegou esta notícia ao rei de Nínive; ele levantou-se do seu trono, tirou de si as vestes reais, cobriu-se de pano de saco e assentou-se sobre cinza."

Aqui a Bíblia registra um fato notável, o episódio em que um rei pagão demonstra uma conduta imitável, e que estava em falta no próprio Israel.

Não o ato em si de assentar-se sobre cinza, mas em crer na pregação de Jonas e demonstrar com os atos a disposição de mudar de rumo e endireitar sua vida.

8 - Mateus 11:21  

"Ai de ti, Corazim! Ai de ti, Betsaida! Porque, se em Tiro e em Sidom se tivessem operado os milagres que em vós se fizeram, há muito que elas se teriam arrependido com pano de saco e cinza."

Jesus aqui cita a impenitência das cidades que testemunharam seus milagres, mas não valorizaram o tempo de sua visitação, o próprio filho de Deus estava presente mas foi desconsiderado por aquela população.

E usa como figura a lembrança das cinzas como representação genuína de um quebrantamento que era esperado, mas não ocorreu. 

CONCLUSÃO


Por essas passagens sobre as cinzas na Bíblia chegamos à conclusão de que o evento da quarta feira de cinzas celebrado em nossos dias parece servir como simbolo de arrependimento pelos pecados cometidos no carnaval, mas na essência percebe-se que tornou-se um mero ritual.

Isso é basicamente o mal de que Isaías falou como citado no item 5, realizar cerimônias pelo simples ato de tradição, destituída do espírito do verdadeiro arrependimento e sem nenhum compromisso de mudança.

Por que se a quarta feira de cinzas representasse verdadeiro arrependimento pelos pecados cometidos no carnaval, nunca mais deveria haver carnaval, já que ele é o evento mor que propicia uma tristeza posterior desnecessária.

Ou seja, a quarta feira de cinzas atual é uma representação do ritual bíblico de se cobrir de cinzas em atitude de tristeza e arrependimento pelos pecados cometidos e que estariam atraindo os juízos de Deus. 

Mas que esse evento, feito hoje pelo mero formalismo, ficou completamente destituído de sua essência, já que não se constata esse arrependimento em seus praticantes.