As 8 incoerências da parábola do rico e Lázaro

 

incoerências da parábola do rico e Lázaro

A Parábola do Rico e Lázaro


1. Hoje responderemos a uma questão levantada pelos imortalistas: Se os adventistas não creem que os justos vão para o Céu e os ímpios vão para o Inferno, logo após a morte, como podem explicar a história do Rico e Lázaro, narrada pelo próprio Cristo? 


Se o relato não ensina que o homem vai ou para o Céu ou para o Inferno, então, o que ensina a história?


2. Começaremos dizendo que realmente NÃO CREMOS que os justos vão para o Céu e os ímpios para o inferno logo após a morte. Este não é o ensino da Bíblia. 


A Bíblia ensina que os mortos tanto justos como injustos vão todos para a sepultura e aguardam a ressurreição e o Juízo, e só depois serão destinados para diferentes lugares, conforme os resultados do Juízo.


3. Mas, então, COMO ENTENDER a História do Rico e Lázaro?


Luc 16:19-31:


Técnicas de apelo para evangelismo público

Técnicas de apelo para evangelismo público


Robert Boothby, professor de evangelismo, foi perguntado pelos jovens estudantes qual o segredo da eficácia de seus apelos que conquistavam grande número de decisões, enquanto poucas decisões eram alcançadas pelas pregações dos jovens pregadores.


- “Jovem, você  não espera alcançar decisões cada vez que você prega, não é certo?”


Até que você pregue como se esperasse que muitos se decidam, você sempre terá poucas decisões.” Sermão evangelístico não é aquele que apenas informa, mas transforma, pela avenida do apelo.


Fazer apelos é essencial para o cumprimento do propósito da pregação evangelística.  Fazer apelo é bíblico.


Apelos bíblicos:    “Onde estás?”- Gn. 3:9.

                              “Quem é do senhor venha até mim” – Ex. 32:26.

      “Escolhei hoje a quem sirvais”- Js. 24: 15.


Jesus chamou os homens  publicamente:

Pedro 

Mateus

Zaqueu


Apelos no Movimento do Advento em 1844.


Falando do movimento do advento de 1843 e 1844, Ellen G. White descreve o tipo de apelos que levavam pecadores à verdadeira conversão:  


“Freqüentemente um apelo era feito para os que  criam nas verdades que haviam sido provadas pela Palavra para que  se levantassem, e grande número atendia.” Evangelismo, p.284.   


Perceba dois elementos nessa sentença: o apelo foi feito ao intelecto – aqueles que “criam nas verdades provadas pela Bíblia ” eram convidados  a uma resposta.  Mas as emoções também faziam parte do processo de decisão, pois eles eram convidados à frente. Quando a pessoa é inteligentemente informada e está convicta, as emoções estimulam a vontade de tomar  a decisão. 


Como resgatar ex-membros da igreja

resgantando ex membros iasd


Buscando as Ovelhas Perdidas


Tipos de afastados difíceis de resgatar:


1 – Ex-empregados de Instituições Adventistas – Por alguma razão uma instituição se torna impessoal. Não é prudente encorajar novos membros a se empregarem em instituições. Eles perdem o amor e o toque pessoal da igreja, pois a instituição se relaciona mais na base comercial.


2 – Ex-professores – Um dos mais difíceis tipos. Geralmente são frios e calculistas. Pessoas nessa categoria não se convencem com argumentos doutrinais.


3 – Profissionais da saúde – O treinamento acadêmico, a irregularidade de tempo, a pressão do dever, a associação com o mundo e a prosperidade financeira desgastam a sua conexão com a igreja. Os que sobrevivem a tudo isso se tornam dedicados membros da igreja, mas muitos decidem não mais pertencer à igreja. São difíceis de aproximar porque são sempre ocupados.


4 – Neuróticos espirituais – Alguns se tornam obstinados pela pseudopsicologia, espiritismo, mania por tratamentos naturais, pentecostalismo, sonhos e visões. Não se pode fazer muito por eles. Alguns abandonam suas excentricidades e voltam à normalidade, mas uma vez conectados à igreja, podem criar danos à harmonia dos membros.


5 – Financeiramente prósperos – Alguns caem nos tentáculos da prosperidade e associações comerciais. Tornam-se orgulhosos e de “nada têm falta”. Seu ouro é seu deus. Pouco se pode fazer por eles até que as circunstâncias os levem à necessidade.


6 – Intelectualmente orgulhosos – Alguns são jactanciosos de seu ceticismo, suas dúvidas e sua habilidade de encurralar o pregador em uma discussão. Argumentar é perda de tempo, pois são firmes em suas opiniões.


7 – Facções independentes – Provavelmente sejam ex-obreiros ou líderes da igreja. Saíram pelo orgulho e rebelião e tiveram grande satisfação em lutar contra a igreja.

Operação Entebbe: resgate criativo


Assimilando novos membros na igreja

Assimilando novos membros na igreja


A. Como  desenvolver uma estratégia de assimilação:


1. Crie uma consciência de assimilação. Isso não ocorre naturalmente. Em cada grupo, departamento, treinamento, reunião mencione a importância de ser aberto e amigável aos visitantes.


2. Desenvolva uma estratégia de assimilação

a) Coordenados por “padrinhos da fé”.

b) NINHO – núcleo de integração, nutrição e prosperidade – coordenar o rodízio de refeições entre os novos membros, tirar fotos em seu batismo, etc.


3. Crie oportunidades de construir relacionamentos

a) Programe eventos tais como: pic nics, esportes, noites sociais, almoços comunitários.


As 4 crises do novo membro

As 4 crises do novo membro


1 – A Crise de Desencorajamento 


Essa crise ocorre quando um indivíduo falha em corresponder aos altos padrões que ele desposou imediatamente antes do seu batismo. No batismo ele comprometeu-se publicamente com esses padrões. 


Mas depois, ele geralmente percebe que tendências de sua velha vida ainda estão presentes. Ele pode ainda ter acessos de mau humor. Pode quebrar o sábado, ou mesmo “escorregar” e xingar. Quando esses velhos hábitos o dominam novamente, pode haver um período de grande desânimo. 


Um sentimento de derrota o envolve. Desencorajado, com baixa autoestima, ele pode se sentir um  hipócrita. Sua reação natural é fugir do contato com a igreja que ele fez compromissos no batismo. A culpa levou Adão e Eva a fugirem da presença de Deus. Ele fez o mesmo.


A importância da oração no evangelismo

importância da oração no evangelismo


A DIFERENÇA É A ORAÇÃO !

Cinco recém graduados estudantes de teologia visitavam Londres, emocionados com a oportunidade de ouvir algum destacado pregador antes da sua ordenação  para o ministério. 


O forte sol de verão os castigava  enquanto aguardavam  que as portas do tabernáculo de Spurgeon fossem abertas, a mesma igreja do mais famoso pregador daquele tempo. 


Um estrangeiro  se aproximou deles e lhes disse: "Enquanto vocês estão esperando, não gostariam de ver o sistema de aquecimento da igreja ?” 


Ver o sistema de aquecimento em um dia abrasador de julho era a última coisa que eles tinham em mente, mas consentiram. Foram conduzidos  alguns degraus abaixo para uma porta no subsolo. O guia abriu a porta e sussurrou em tom baixo : "Este é o sistema de aquecimento de nossa igreja”.


Os jovens pastores viram diante deles 700 pessoas ajoelhadas em oração suplicando as bênçãos de Deus para a reunião evangelística que seria conduzida no salão superior. O guia desconhecido se apresentou como o próprio Charles Spurgeon.


O Espírito Santo e a missão da Igreja

o espirito e a missao da igreja


VENCENDO OS OBSTÁCULOS INTRANSPONÍVEIS COM O PODER DE ESPÍRITO SANTO


- Gigantes e montanhas representam os grandes obstáculos na história do povo de Deus do passado.

- Contemplando da perspectiva contemporânea, poderíamos pensar que os atos heroicos do passado, parecem mais adequados para histórias de crianças.


a) Davi e Golias – I Samuel 17: 45-47

b) Outros gigantes – II Samuel 21: 15-22


I.  GIGANTES E MONTANHAS NA HISTÓRIA DO POVO DE DEUS


Desafio de evangelização nas grandes cidades

como evangelizar grandes cidades


-  Alguns dados importantes

- em 1850, menos de 3% da população mundial vivia em cidades.

- No ano 2000 estima-se que mais de 50% da população viverá nas cidades

- Em 1950 havia somente sete cidades com mais de 5 milhões de habitantes

- No ano 2000 estima-se que 93 cidades terão mais de 5 milhões de habitantes e mais de 300 terão um milhão ou mais de habitantes

- 80% das megalópoles estarão na Ásia, África e América Latina


I.  A TEOLOGIA DA CIDADE


1. As cidades na Bíblia

a) Sinônimos de maldade e pecaminosidade


- Sodoma e Gomorra

- Babilônia, a real e a simbólica


b) A atitude de Deus para com as cidade


- Desejo de que se arrependam e se salvem – Jonas 4:11

- Jesus chorou sobre Jerusalém – S. Mateus 23:37

- Possibilidade de salvação através da oração intercessória dos justos – Gênesis 18:22-23


8 Aulas sobre Igreja Missionária

8 Aulas sobre Igreja Missionária


Aula nº 1

A IGREJA E O MUNDO:

INTRODUÇÃO A UMA TEOLOGIA BÍBLICA DA MISSÃO


I – A MISSÃO NO MUNDO


1. Considerações em relação à Grande Comissão

a) A Dimensão Geográfica: “Ide por todo o mundo”. S. Marcos 16:15

b) A Dimensão Antropológica: “A toda criatura”.

c) A Dimensão Eclesiástica: “Ide e fazer discípulos”.

d) A Dimensão Teológica: “e que... se pregasse”. S. Lucas 24: 46-48.

e) A Dimensão Soteriológica: “quem crer...”. S. Marcos 16:16.

f) A Dimensão Carismática: “Estes sinais...”. S. Marcos 16: 17-18.


2. Considerações em relação às Mensagens Angélicas

A Dimensão Étnica: “A toda nação, tribo, língua e povo”. Ap. 14: 6.

A Dimensão Mundial: “Toda a Terra foi iluminada”. Ap. 18: 1.

A Dimensão Profética: “que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis”. Ap. 10: 11.


3. Considerações em relação à Oração do Envio – S. João 17: 11-18

- Cristo envia seus seguidores ao mundo – verso 18

- O mundo é o lugar de ação: não podemos retirar-nos dele – versos 11, 15

- Há uma tensão entre “estar no mundo” e “não ser do mundo” – versos 14-17

- Cristo estava preocupado por Seus seguidores – versos 11-15


Princípios de ética para pastores e líderes de igreja

Princípios de ética ministerial


1. Explicações introdutórias

2. O código profissional do obreiro

3. O decálogo do ministro

4. Comentários finais


O código profissional e decálogo do ministro


9 Perigos que só um pastor enfrenta

 

Perigos que só um pastor enfrenta

O Ministro está exposto a perigos e muitos problemas


Nosso Senhor Jesus Cristo, embora fosse Filho de Deus, esteve exposto aos ferozes ataques de Satanás. Foi atacado durante a meninice, a juventude e durante Seu ministério. 


Um exemplo de como foi atacado encontramos nas tentações que teve que enfrentar depois de Seu batismo. Diz Paulo que Jesus foi “tentado em todas as cousas, à nossa semelhança”. 


Os perigos que Jesus enfrentou ao vir a este mundo revestido da natureza humana não os pode compreender plenamente o homem. “Ao mundo em que Satanás pretendia domínio, permitiu Deus que viesse Seu Filho... Permitiu que enfrentasse os perigos da vida em comum com toda a alma humana... com risco de fracasso e ruína eterna”.


O evangelismo e a consolidação

evangelismo e a consolidação


A. A maior satisfação do Evangelista: Ganhar almas.


1. “A maior obra, o mais nobre esforço em que se possam homens empenhar, é encaminhar pecadores ao Cordeiro de Deus. Ministros fiéis são colaboradores do Senhor na realização de Seus desígnios...” “Ganhar almas para o reino de Deus precisa ser sua primeira preocupação. Com tristeza pelo pecado, e paciente amor, devem trabalhar como Cristo o fazia, desenvolvendo decidido e pertinaz esforço”. (Obreiros Evangélicos, págs. 18 e 31, edição de1969).


2. Por isso experimentamos um grande desapontamento quando não obtemos os resultados anelados e esperados. Mas, que ocorre na mudança quando temos êxito em ganhar almas e logo comprovamos que estas voltam atrás e perdem sua fé: Frustração.


B. O maior desapontamento: a apostasia de novos conversos.


Evangelismo e continuidade de novos membros

evangelismo e continuidade


1. Evangelismo e continuidade 


a. Dois conceitos de relação


A. Para entender corretamente o significado da continuidade, temos que definir o evangelismo e esclarecer seus objetivos.


B. Na realidade, evangelismo e continuidade são dois lados de uma mesma moeda.


b. Definição de evangelismo


A. O que não é: uma sucessão de programas destinados principalmente a converter e batizar pessoas. Um trabalho operacional que se mede quantitativamente pelos resultados alcançados. Uma maneira de entusiasmar as pessoas na mensagem adventista.


Você está Pescando com Redes?

Você está Pescando com Redes


Condensado e adaptado do livro”Are you Fishing with a Net?” de Randall G. Neighbour


Carlos assentou-se em seu barco, vara de pescar em sua mão, esperava que um peixe mordesse sua isca artificial. Ele  lentamente movimenta a manivela de sua bobina, trazendo o verme de borracha par a superfície, e então o lança em um lugar onde pensa que pode estar um grande robalo. 


Ele pensa, “Se eu pudesse fisgar um grande peixe hoje, poderia voltar para casa sabendo que ganhei o dia”


Este homem é um pescador. Ele gastou suas economias em um barco de alumínio, vara de fibra, bobina importada e uma ampla variedade de iscas artificiais. Ele tipifica os pescadores esportivos que pescam por hobby.


Tendências religiosas no século 21

Tendências religiosos no século 21


Condensado do livro “A Church For The 21 Century”,de Leith Anderson


a) Busca do Sobrenatural: Reespiritualização da sociedade


Iniciamos o século XX com a ascendência do racionalismo e liberalismo.

Terminamos com o sobrenaturalismo, pós-secularismo, retorno ao fundamentalismo.

Ateísmo fora de moda. O movimento da Nova Era é a evidência do sobrenatural: popularidade dos cristais, horóscopos, reencarnações.

Renovação Carismática: popularidade dos sinais e milagres.

Velho paradigma: “Se você tem a doutrina correta, você experimentará Deus”.

Novo paradigma: “Se você experimenta Deus, terá a doutrina correta”.

Século XXI - geração  menos preocupada com sistemas teológicos, argumentos lógicos, e mais interessada em encontrar o sobrenatural.