Como ganhar dinheiro honestamente [sem depender da sorte]

Como ganhar dinheiro honestamente

Existem 3 formas de prosperar financeiramente na vida, a primeira é roubando ou enganado as pessoas, que é o que fazem a maioria dos políticos brasileiros. 

Apesar de ser muito rentável essa é uma maneira de ganhar dinheiro que eu não recomendo. Por que é uma riqueza que não produz paz, pelo contrário, vem carregada de problemas, entre eles:

- Transtornos emocionais;

- Deterioração do caráter;

- Viver se escondendo da justiça;

- Quem planta, colhe, e quem rouba indubitavelmente será roubado; 

- Legado de vida negativo para os filhos;

- Quem rouba, vai pro inferno.

Casal com idades muito diferentes seria também jugo desigual?

 idades diferente jugo desigual

II Cor. 6:14 – “Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniquidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas?” 

Propósito: Separação clara no contato entre crentes e descrentes. Por que? 

O conselho de Deus é contra qualquer tipo de associação voluntária com pessoas que não temem a Deus ou não ligam para seus princípios.

Casamento, sociedade, namoro, etc.

Porque nossa mente é influenciada por aquelas pessoas e pelas idéias com as quais entramos em contato. 

Não há como resistir. “Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”.

Casamento de pessoas com idades muito diferentes, se os dois forem crentes, não constitui, estritamente falando “Jugo Desigual”, no sentido espiritual.

Usar saia ou calça comprida na igreja?

saia ou calça comprida na igreja

Alguns aspectos deste problema parecem estar mais relacionados a costumes do que com religião. Existe um verso na Bíblia que diz que: 

"a mulher não usará roupa de homem, nem o homem veste peculiar à mulher; porque qualquer que faz tais cousas é abominável ao Senhor teu Deus". (Deut. 22:5). 

Mas, o que é considerado roupa de homem, e o que é considerado roupa de mulher? 

Uma coisa não podemos esquecer: para definir o que é roupa de homem e de mulher, temos que estudar os padrões da cultura local. 

Quando é necessário empregar as palavras “amém” e “aleluia”?

Amem e aleluia

Amém do hebraico “ãmën”, mostrar-se firme, digno de confiança, durar, saber-se seguro, ter fé, e assim a palavra significa: “certo”, “verdadeiro”.

Palavra empregada cerca de 25 vezes no Antigo Testamento. Dizer “amém” confirma uma declaração feita por outra pessoa.

NOS SALMOS


As doxologias no fim dos quatro primeiros livros dos Salmos 41:13, 14; 72:19; 89:52, 53; 106:48 terminam com Amém. Neemias 8:6 e I Cor. 16:36 mostram que é a expressão de resposta por parte do povo.

Confissões católicas e protestantes sobre o Domingo

Confissoes catolicas domingo

Confira aqui uma série de frases com as mais famosas confissões católico romanas e protestantes acerca do domingo, com representantes das igrejas Anglicana/Episcopal | Batista | Congregacionais | Discípulos de Cristo | Luterana Metodista | Dwight L. Moody | Presbiteriana 

________________________________________

SÁBADO X DOMINGO


A vasta maioria das igrejas cristãs na atualidade ensinam a observância do domingo, o primeiro dia da semana, como um dia para o descanso e a adoração. Ainda assim, é geralmente conhecido, e livremente admitido, que os cristãos primitivos observaram o sétimo dia como dia de repouso. Como é que aconteceu a troca? 

A história revela que passaram décadas, depois da morte dos apóstolos, que um sistema político-religioso se levantou contra o sábado da Escritura e instaurou a observância do primeiro dia da semana.

As seguintes citações, todas de fontes católico romanas, reconhecem livremente que não há autoridade bíblica para a observância do domingo, e que foi a Igreja Romana que trocou o sábado para o primeiro dia da semana. 

Na segunda parte deste folheto há citações protestantes. Sem dúvida, estes pastores, eruditos e escritores guardaram o domingo, mas todos admitem com franqueza que não há autoridade para o descanso sabático no primeiro dia da semana. 

CONFISSÕES CATÓLICO ROMANAS


Cardeal James Gibbons, The Faith of Our Fathers (A fé de nossos pais), edição 88, pág. 89: 

"Poderás ler a Bíblia de Gênesis a Apocalipse, e não encontrarás nem uma só linha que autorize a santificação do domingo. As Escrituras mandam a observância religiosa do sábado, o dia que nós nunca santificamos". 

Stephen Keenan, A Doctrinal Catechism (O catecismo doutrinal) , 3a ed., pág. 174: 

"Pergunta: Você tem alguma outra forma de demonstrar que a Igreja tem poder para instituir festividades de preceito? 

"Resposta: Se esta não tivera tal poder, não poderia haver feito aquilo em que os religiosos modernos estão de acordo com ela - - ela não poderia haver trocado a observância do sábado, o sétimo dia, para a observância do domingo, o primeiro dia da semana; uma troca para a qual não há autoridade da Escritura". 

John Laux, A Course in Religion for Catholic High Schools and Academie (Um curso em religião para as escolas secundárias e acadêmicas) (1936), vol. 1. pág. 51: 

"Alguns teólogos têm mantido que Deus, inclusive diretamente, determinou o domingo como o día de adoração na Nova Lei, e que Ele mesmo substituiu explicitamente o sábado para o domingo. Mas esta teoria foi abandonada completamente. Agora é a crença que Deus sensivelmente deu à Sua Igreja a autoridade para separar qualquer dia ou dias que ela crer apropriados como dias sagrados. A Igreja escolheu o domingo, o primeiro dia da semana, e no transcurso do tempo adicionou outros dias como dias sagrados". 
  
Daniel Ferres, ed., Manual of Christian Doctrine (Manual de doutrina cristã) (1916), pág. 67: 

"Pergunta: Como se pode comprovar que a Igreja tem a autoridade para impor festas e dias festivos? 

"Resposta: Através do mesmo ato de trocar o sábado para o domingo, o qual aceitam os protestantes, contudo, estes indulgentemente se contradizem ao observar o domingo estritamente e romper com outras festas ordenadas pela mesma Igreja". 

Cardeal James Gibbons, arcebispo de Baltimore (1877-1921), em carta firmada: 

"É o sábado, o sétimo dia de acordo com a Bíblia e os Dez Mandamentos? Eu respondo que sim. É o domingo, o primeiro dia da semana e trocou a Igreja o sétimo dia- - o sábado- - pelo domingo, o primeiro dia? Eu respondo que sim. Cristo trocou o dia? Eu respondo, não." Atenciosamente, Card. J. Gibbons". 

The Catholic Mirror (O espelho católico), publicação oficial do cardeal James Gibbons, 23 de sept. de 1893: 

"A Igreja Católica ... em virtude de sua missão divina, trocou o dia de sábado para o domingo." 

Catholic Virginian (Virginiano católico), 3 de oct. de 1947, pág. 9, art. "To Tell You the Truth" ("Para lhe dizer a verdade"): 

"Por exemplo, em nenhuma parte da Bíblia encontramos que Cristo ou os apóstolos ordenaram que o sábado fosse trocado para o domingo. 

Nós temos o mandamento de Deus, dado a Moisés, de guardar santo o dia de sábado, este é, o sétimo dia da semana. Hoje muitos cristãos guardam o domingo porque nos tem sido revelado pela Igreja (Católico Romana), fora da Bíblia." 

Pedro Geiermann, C.S.S.R., The Converts Catechism of Catholic Doctrine (Catecismo de doutrina católica dos convertidos) (1957), pág. 50. 

"Pergunta: Qual o dia de repouso? 

"Resposta: O sábado. 

"Pergunta: Por que nós observamos o domingo no lugar do sábado? 

"Resposta: Nós observamos o domingo no lugar do sábado porque a Igreja Católica transferiu a solenidade do sábado ao domingo". 

Martin J. Scott, Things Catholics Are Asked About (Coisas que se perguntam aos católicos) (1927), pág. 136: 

"Em nenhuma parte da Bíblia se declara que a adoração se deva trocar do sábado para o domingo ... Agora, a Igreja ... instituiu, pela autoridade de Deus, o domingo como o dia de adoração. 

Esta mesma Igreja, pela mesma autoridade divina, ensinou a doutrina do purgatório muito antes que a Bíblia fora feita. Temos, portanto, a mesma autoridade em relação ao purgatório, como em relação ao domingo". 

Peter R. Kraemer, Catholic Church Extension Society (Sociedade Anexa da Igreja Católica) (1975). Chicago, Illinois, EE.UU.: 

"Com relação à troca da observância do sábado judaico ao domingo cristão, gostaria de chamar a atenção para os fatos: 

"1) Que os protestantes, que aceitam a Bíblia como sua única regra de fé e religião, devem por todos os meios regressar à observância do sábado. O fato de não o fazerem, mas, pelo contrário, observam o domingo, os põe em ridículo aos olhos de todo homem pensante. 

"2) Nós, os católicos, não aceitamos a Bíblia como única regra de fé. Além da Bíblia, temos a Igreja viva, a autoridade da Igreja, como uma regra para guiar-nos. 

Declaramos que esta Igreja, instituída por Cristo para ensinar e guiar o homem pela vida, tem o direito de trocar leis cerimoniais do Antigo Testamento,e, portanto, nós aceitamos sua troca do sábado ao domingo.

Declaramos com franqueza que a Igreja realizou esta troca, fez esta lei, como tem feito muitas outras leis -- por exemplo, a sexta feira de abstinência, o celibado sacerdotal, as leis que têm que ver com os matrimônios mistos, regulamentação dos matrimônios católicos e outras. 

"Sempre achamos engraçado ver as igrejas protestantes, no púlpito e através da legislação, exigir a observância do domingo, do qual não há nada na sua Bíblia." 

T. Enright, C. S. S. R., em uma dissertacão, Hartford, Kansas, EE.UU., 18 de feb. de 1884: 

"Repetidamente tenho oferecido $1,000 [dólares] a qualquer pessoa que possa comprovar, só com a Bíblia, que estou obrigado a guardar santo o domingo. Não há tal lei na Bíblia. 

É uma lei somente da Igreja Católica. A Bíblia diz, "Lembra-te do dia de sábado para o santificar ". 

A Igreja Católica diz, "Não. Pelo meu poder divino eu anulo o dia de sábado e mando santificar o primeiro dia da semana". E, como aqui, o mundo inteiro civilizado se submete reverente em obediência à Santa Igreja Católica ". 

CONFISSÕES PROTESTANTES


Os teólogos e pregadores protestantes de uma grande gama denominacional têm sido bastante enfáticos em admitir que não há autoridade bíblica para observar o domingo como o dia de repouso. 

Anglicana/Episcopal

Isaac Williams, Plain Sermons on the Catechism (Sermões simples do catecismo), vol. I págs. 334, 336: 

"E, onde nos diz as Escrituras que devemos guardar o primeiro dia? Nos ordena guardar o sétimo, mas em nenhuma parte nos ordena guardar o primeiro dia...A razão porque santificamos o primeiro dia da semana, no lugar do sétimo, é a mesma porque observamos muitas outras coisas, não por causa da Bíblia, mas porque a igreja nos tem prescrito". 

Canon Eyton, The Ten Commandments (Os Dez Mandamentos), págs. 52, 63, 65: 

"Não há palavra nem indicação alguma no Novo Testamento com relação a abster-se de trabalhar no domingo...Quanto ao descanso dominical, não há lei divina...A observância da quarta feira de cinzas ou quaresma se fundamenta na mesma base da observância do domingo." 

O bispo Seymour, Why We Keep Sunday (Por que guardamos o domingo): 

"Nós temos feito a troca do sétimo para o primeiro dia, do sábado para o domingo, pela autoridade da Santa Igreja Católica". 

Batista

Dr. Edward T. Hiscox, em um documento lido ante una conferência de ministros en Nova York em 13 de nov. de 1893, reportado no New York Examiner, de 16 de nov. de 1893: 

"Houve e ainda há um mandamento para santificar o dia de sábado, mas esse dia sábado não era o domingo. Se dirá sem constrangimento, e com certa mostra de triunfo, que o dia de repouso (sábado) foi transferido do sétimo para o primeiro dia da semana...Onde se pode encontrar o registro dessa transação? Em absoluto, não existe no Novo Testamento". 

"A mim me parece inexplicável que Jesus, durante três anos convivendo com seus discípulos, falando frequentemente com eles com relação ao sábado...nunca fez alusão a nenhuma transferência do dia, tampouco foi insinuada tal questão durante quarenta dias de vida depois de sua ressurreição". 

"Contudo, sei muito bem que o domingo veio a ser usado cedo na história cristã...mas, que pesar que vem marcado com a mancha do paganismo, e batizado com o nome do deus sol, adotado e sancionado pela apostasia papal, e deixado como um legado sagrado ao protestantismo". 
  
William Owen Carver, The Lord's Day in Our Day (O día do Senhor em nosso día), pág. 49: 

"Nunca houve uma troca formal e autoritativa do sétimo dia sabático judeu, ao primeiro dia de observância cristão. 

Congregacionalistas

Dr. R. W. Dale, The Ten Commandinents (OsDez Mandamentos) (New York. Eaton & Mains), págs. 127-129: 

"... é muito claro que, não importa quão rígida ou devotamente nós passamos o domingo, não estamos guardando o sábado...O sábado foi fundado sobre um mandamento específico divino. Nós não podemos anular o mandamento através da obrigação de observar o domingo...Não há nem uma só oração no Novo Testamento para sugerir que incorramos em alguma penalidade por violar a suporta santidade do domingo". 

Timothy Dwight, Theology: Explained and Defended (Teologia: explicada e defendida) (1823), Ser. 107, vol. 3, pág. 258. 

"... o sábado cristão [domingo] não está nas Escrituras, e não foi chamado sábado pela Igreja primitiva". 

Discípulos de Cristo

Alexander Campbell, The Christian Baptist (O cristão batista), 2 de feb. de 1824, vol. 1. Núm. 7, pág. 164: 

"Mas, dizem alguns, foi trocado o sétimo para o primeiro dia. Onde? Quando e por quem? Ninguém poderá dizer. Não, nunca foi trocado, nem podia ser trocado, a menos que fosse feita nova criação. 

Pois a razão para a troca teria que ser trocada antes que a observância ( o respeito dado à razão para a troca) pudesse ser trocada! Se trata de fábulas de velhas falar da troca do sábado para o primeiro dia. Se foi trocado, foi aquela personagem solene que o trocou- -o mesmo que tenta trocar as festividades e a lei ex officio -- Creio que se chama Doutor Anticristo". 

First Day Observance (A observância do primeiro día), págs. 17, 19: 

"O primeiro dia da semana comumente se chama 'sábado'. Isto é um erro. O sábado da Bíblia era o dia que justamente antecedia ao primeiro dia da semana. Ao primeiro dia da semana nunca foi chamado de 'sábado' em nenhuma parte das Escrituras. Também é um erro falar da troca do repouso bíblico do sábado para o domingo. Não há em nenhum lugar da Bíblia insinuação alguma de tal troca". 

Luterana

The Sunday Problem (O problema do domingo), um livro de estudo da Igreja Unida Luterana (1923), pág. 36: 

"Temos visto, gradualmente, como se desvanece a impressão do sábado judeo da mente da Igreja cristã, e quão completamente o novo pensamento, que é a base da observância do primeiro dia, tomou posição na Igreja. Temos visto que os cristãos dos primeiros três séculos nunca confundiram um com o outro, mas durante algum tempo celebraram ambos". 

Augsburg Confession of Faith (A confissão de fé de Augsburgo), art. 28; escrito por Melanchthon, aprovado por Martín Lutero, 1530; como foi publicado no Livro de convenio da Igreja Evangélica Luterana, Henry Jacobs, ed. (1911), pág. 63: 

"Eles [católicos romanos] se referem ao dia sábado como dia que foi transformado no dia do Senhor, contrario ao Decálogo. Tampouco não há nenhum exemplo ao qual lhe dão tanta importância como à troca do dia sábado. Segundo dizem, grande, grande é o poder da Igreja, uma vez que fazem omissão de um dos Dez Mandamentos!" 
  
Dr. Augustus Neander, The History of the Christian Religion and Church (A história da religião e igreja cristãs), Henry John Rose, tr. (1843), pág. 186: 

"O festival do domingo, como todos os demais festivais, foi sempre somente uma ordenança humana, e esteve longe das intenções dos apóstolos estabelecer um mandamento divino a respeito - - longe dos mesmos e da Igreja apostólica primitiva - - ao transferir as leis do sábado para o domingo". 

John Theodore Mueller, Sabbath or Sunday (Sábado ou domingo), págs. 15-16: 

"Mas eles erram ensinando que o domingo tomou o lugar do sábado do Antigo Testamento e, portanto, deve ser guardado como o sétimo dia teve que ser observado pelos filhos de Israel... ... Estas igrejas erram em seu ensino, porque a Escritura de nenhuma maneira ordenou o primeiro dia da semana no lugar do sábado. Sensivelmente, não há nenhuma lei no Novo Testamento a este respeito". 

Metodista

Harris Franklin Rall, Christian Advocate (Defensor cristão), 2 de julio de 1942, pág. 26: 

"Considere o assunto do domingo. Há indicações no Novo Testamento de como a igreja veio a guardar o primeiro dia da semana como seu dia de adoração, mas não há nenhuma passagem em que se manda aos cristãos que guardem esse dia, ou que transfiram o sábado judeu para esse dia". 

John Wesley, The Works of the Rev. John Wesley, A.M. (As obra do Rev. John Wesley, A.M.), John y Emory, ed. (New York: Eaton & Mains), Sermão 25, vol. 1. pág. 221: 

"Mas, a lei moral, encerrada nos Dez Mandamentos e reforçada pelos profetas, Ele (Cristo)não a anulou. Sua vinda não teve por propósito revogar nenhuma parte da mesma. Esta é uma lei que nunca pode ser ab-rogada...Cada parte desta lei tem que permanecer em vigor sobre toda a humanidade, por todas as idades, sem depender de tempo ou lugar, ou qualquer outras circunstancias propensas à troca, senão da natureza de Deus e a natureza do homem, e sua insubstituível relação mútua". 

Dwight L. Moody

D. L. Moody, Weighed and Wanting (Pesado e encontrado em falta) (Fleming H. Revell Co: New York), págs. 47-48: 

"O sábado era obrigatório no Éden, e tem estado vigente desde lá. Este quarto mandamento começa com a palavra "lembra-te", que demonstra que o sábado já existia quando Deus escreveu a Lei nas tábuas de pedra no Sinai. Como podem os homens pretender que só este mandamento foi anulado, quando todavia admitem que os outros nove ainda estão vigentes? " 

Presbiteriana

T.C. Blake, D.D., Theology Condensed (Teologia condensada) págs. 474-475: 

"O sábado é parte do decálogo -- Os Dez Mandamentos. Isto por si só resolve a questão da perpetuidade da instituição...Portanto, até que se possa demonstrar que toda alei moral foi abolida, o sábado permanecerá. O ensino de Cristo, confirma a perpetuidade do sábado". 
________________________________________

DOCUMENTO TRADUZIDO PARA O PORTUGUÊS POR YOSSI BEN YOACHIM. 


O falso dom de línguas dos dias atuais

falso dom de linguas

A Bíblia afirma que o dom de línguas é um dos dons que Deus quer derramar sobre seus filhos. Mas, o que é o dom de línguas, e para que serve? Você pediu a minha opinião, e vou da-la com franqueza. Antes, quero analisar com você alguns aspectos: 

- I Cor.12:7, afirma que o Espirito Santo (ES) distribui os dons como lhe apraz. Isto é, nem todas pessoas terão os mesmos dons. 

- No v. 7 nos é dito que a manifestação do Espirito é concedida a cada um, visando a um fim proveitoso, isto é, que sirva para o crescimento do corpo de Cristo, que é a Igreja, enfim, precisa haver comunicação da vontade de Deus. Veja que Paulo fala a mesma coisa em outras palavras em Ef. 4:10-14. 

O que a Bíblia diz sobre divórcio, separação e novo casamento

Bíblia divórcio, separação e novo casamento

Descubra nesse artigo sobre o que a Bíblia diz sobre o divórcio, quando pode haver uma separação e um novo casamento.

I - O QUE É DIVÓRCIO


Vejamos primeiramente o que significa a palavra divórcio: segundo o dicionário Aurélio, divórcio é a dissolução do vínculo matrimonial, separar-se judicialmente.

Disciplina da igreja significa desligado na terra e desligado no Céu?

desliado na terra desligado no ceu

Há algum tempo, um irmão escreveu-nos uma carta queixosa, na qual expunha as razões pelas quais julgava a Comissão da Igreja onde congrega, havia recomendado injustamente a exclusão de sua filha e de seu genro da comunhão da igreja. 

Seu coração de pai parecia especialmente ferido porque, segundo entendia, a filha e o genro haviam sido excluídos não apenas do seio da igreja, mas também “do livro da vida no Céu”.

De fato, é bastante generalizada a ideia de que a exclusão de um nome do livro da igreja acarreta fatalmente a exclusão desse nome do livro da vida. 

Seminários de mordomia 'Os valores da graça' (Palestras em PPT)


Power point valores da graça mordomia iasd

A misericórdia de Deus estende Sua graça para todos nós. A graça é um favor imerecido, uma gentileza divina que representa solução para a decadência humana. 

Ellen White escreveu:

“A graça é um atributo de Deus, exercido para com as indignas criaturas humanas. Não a buscamos, porém, ela foi enviada a procurar-nos. Deus Se regozija de conceder-nos Sua graça, não porque somos dignos, mas porque somos completamente indignos. Nosso único direito a Sua misericórdia é nossa grande necessidade” – A Ciência do Bom Viver, p. 161.

Existem valores na graça divina que ajudam a humanidade a viver com dignidade e como testemunho do infinito amor de Deus. Podemos refletir sobre esses valores e como a graça do Pai Eterno concede mudança de vida – que se estende para além da dimensão física, trazendo também benefícios espirituais.

Lições práticas da parábola dos talentos (Palestra 5)


Parabola dos talentos iasd

No Monte das Oliveiras, Cristo pregou um sermão sobre o Seu segundo advento ao mundo. Este sermão foi motivado pela pergunta feita pelos discípulos: “Dize-nos quando” (Mt. 24:3). Eles estavam pedindo uma data sobre o Seu retorno e o fim de todas as coisas.

Jesus não apresentou uma data, mas especificou certos sinais que se manifestariam quando Sua vinda estivesse próxima, e orientou aos discípulos que vigiassem e estivessem preparados. Novamente repetiu a advertência:

“Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora em que o Filho do homem há de vir” (Mt. 25:13).

Mostrou então, o que significa aguardar Sua vinda. O tempo não deve ser gasto em vigilância ociosa, mas em trabalho diligente. Essa lição Ele ensinou, a partir de uma série de parábolas, inclusive a dos talentos, que é o nosso tema de hoje.

Guardando o sábado com responsabilidade (Palestra 4)


Guardar o sábado com responsabilidade

Como adventistas do sétimo dia, temos algumas marcas que nos identificam. Dentre elas, certamente, a mais forte é o sábado. 

Cremos que o sábado é o dia do Senhor, separado por Ele para O adorarmos. Instituído na semana da criação, o sábado foi santificado por Deus e tem o objetivo de proteger nossa relação com Ele no passado, no presente e no futuro.

Na semana da criação, Deus também instituiu o modelo ideal de família. Dessa forma, temos na semana da criação duas instituições sagradas: o sábado e a família. Curiosamente, essas duas instituições têm sido atacadas ferozmente por Satanás.

São duas instituições distintas, mas que têm o objetivo de se complementarem. O sábado, dentre outros objetivos, foi criado por Deus para ser uma bênção para a família, e, assim, ajudar a unir os laços fraternais que devem existir entre os cônjuges e seus filhos.

Alcançando o mundo com fidelidade (Palestra 3)


Alcancando o mundo com fidelidade

Salvação Mundial – A graça de Deus não é exclusivista e nem seletiva. Deus ama incondicionalmente toda humanidade. Quando Ele olha para o planeta Terra, todos os seus moradores são objeto de Sua misericórdia e Seu perdão.

A visão redentiva é outorgada a todos, Sua graça é estendida a toda humanidade na face da Terra. Ninguém, por mais pecador que seja, está fora e impossibilitado de ser alcançado pelo amor de Deus: 

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho unigênito...” João 3:16.

Usando os dons com dedicação (Palestra 2)


Usando os dons com dedicacao

“A maior causa de nossa fraqueza espiritual como um povo é a falta de fé real nos dons espirituais.” Review And Herald 14/08/1868 

O propósito deste seminário é trazer à nossa atenção o assunto dos dons espirituais. 

“Deus mesmo determinou quais cristãos vão efetuar melhor determinados ministérios. À medida que cristãos vivem de acordo com seus dons espirituais, eles não trabalham pelas próprias forças, mas o Espírito de Deus trabalha neles. Assim, pessoas bem normais podem efetuar tarefas bem especiais.” (O Desenvolvimento Natural da Igreja, p. 24)

Cuidando do corpo com equilibrio (Palestra 1)


Cuidando do corpo com equilibrio

Existe um grupo de pessoas que se autodenominam “anarquistas”. Elas seguem uma teoria política que rejeita o poder estatal e acreditam que a convivência entre os seres humanos é simplesmente determinada pela vontade e pela razão de cada um. 

É um sistema que remete ao caos, à desordem e à completa ausência de regras. Assim, uma sociedade anarquista seria uma sociedade sem leis. Mas, mesmo o mais anarquista entre os anarquistas, tem que admitir que existem leis que regem o universo. 

Desde as leis que regem o funcionamento das minúsculas células, até as leis que regem a órbita dos planetas. Tudo que foi criado por Deus, segue uma ordem e leis bem
estabelecidas.

Impotência sexual causada por excesso de Pornografia


Impotência sexual Pornografia

Na lição da escola sabatina de (Abril-Jun 2019), 'estações da família', no estudo sobre a canção de amor do rei na Pag. 77 há uma referência a um artigo da revista Time que cita o fato do consumo de pornografia está associado a perca da virilidade masculina.

Encontrei o endereço em inglês e após te-lo traduzido coloco ele aqui na íntegra para você.

A matéria da Revista Time traz um estudo que comprova o quanto o consumo de pornografia está associado ao crescente aumento de disfunções sexuais. 

A primeira geração de homens que cresceram com pornografia online ilimitada soam o alarme de um problema emergente.