As 9 Esposas do Rei Davi

mulheres de davi Biblia

O rei Davi foi um dos personagens mais importantes da história Sagrada, tanto que o próprio Jesus foi chamado 'Filho de Davi', tendo em vista uma aliança que Deus fizera com o rei na qual lhe foi prometido que sempre haveria um rei que descendesse dele. (2 Sm 7:16)


Isso se deu exatamente após Davi propor no coração construir um habitação para a arca da aliança.


MULHERES DE DAVI


Mical, filha de Saul era esposa de Davi, que ele comprara o dote mediante a morte de 200 filisteus. 


Depois Saul, intentando o mal contra ele, a deu a Palti quando Davi fugiu sob ameaça de Saul, no entanto, ele a mandou buscar quando se tornou Rei de Judá. (1 Sm 25:44 e 2 Sm 3:13)


Além dela Davi também tinha as seguintes esposas: Ainoã, a jezreelita ; Abigail, que era viúva de Nabal, o carmelita; Maaca, mãe de Absalão, Davi casara com ela mediante uma aliança que fizera com Talmai, rei de Gesur; além dessa tinha HagiteEglá, Abital e a última Bate-Seba


Quando já estava idoso trouxeram outra mulher para 'aquecer' o rei Davi, que se chamava 'Abisague', porém ele não a possuiu. (1 Re 1:3-5)


Filhos de Davi


O primogênito foi Amnom, de Ainoã, a jezreelita; o segundo, Quileabe, de Abigail, viúva de Nabal, o carmelita; o terceiro, Absalão, filho de Maaca, filha de Talmai, rei de Gesur; o quarto, Adonias, filho de Hagite; o quinto, Sefatias, filho de Abital; o sexto, Itreão, de Eglá e Salomão era filho de Bate-Seba (2 Sm 3:3-5)


Por que Davi tinha tantas mulheres?


Era costume que os reis das nações cananeias possuíssem muitas mulheres, isso era tão comum que foi assimilado sem escusas pela nação de Israel. 


Os casamentos com muitas esposas tinham em vista a formação de uma família grande que refletia a grandeza do reino, e em sua maioria eram fruto de alianças políticas com outros povos de maneira que o rei pudesse manter relações pacíficas com as nações ao redor. 


Mas havia ordens expressas de Deus deixadas por Moisés na lei, que desaprovavam essa prática. (Ver Dt 17:15-17)


Por a Bíblia não condenou a poligamia de Davi


A poligamia foi desaconselhada de forma geral, não era condenada diretamente na Bíblia em alguns aspectos. 


Era uma situação de certa forma tolerada, e por vezes até estimulada, tendo em vista todos os fatores culturais do contexto de época.


No entanto, pode-se constatar as consequências funestas na vida de Davi e de seus filhos dessa escolha errada, a família vivia em constante conflito com cada filho procurando a supremacia sobre os demais, tendo em vista os interesses materiais do reino. 


Isso foi prova suficiente do desagrado de Deus sobre os casamentos poligâmicos de Davi, apesar de não vermos repreensões diretas.


Jesus mesmo disse que Deus 'permitia' algumas coisas por causa da dureza do coração dos homens. (Mt 19:8)

Os 5 Terremotos da Bíblia

terremotos biblia

A Bíblia registra 5 terremotos que ocorreram em algumas situações interessantes, veja quais foram.


TERREMOTO DE ELIAS


Quando o profeta Elias fugiu para uma caverna nos dias de Acabe e Jezabel, Deus manifestou-se a ele por meio de fenômenos na natureza, entre os quais, um terremoto. (Ver 1 Re 19:11.12)


7 Mulheres Estéreis da Bíblia que Conceberam

Mulheres Estéreis da Bíblia

Veja aqui as 7, ou melhor, 8 mulheres da Bíblia que não podiam ter filhos e milagrosamente foram mães por intervenção divina.


1 SARA


A esposa de Abraão chegou a oferecer sua serva ao marido para gerar filhos por meio dela, tendo em vista que era estéril e já estava em idade avançada.


No entanto, Deus informou a Abraão que sua esposa teria um filho, na ocasião ela sorriu com a notícia por que não acreditou que seria possível. 


Como para Deus não há impossíveis, Sara concebeu por volta dos 90 anos de idade, quando já nem menstruava mais, e teve um filho a quem deu o nome de Isaque, que significa 'risos'. (Ver Gn 11:30)


2 REBECA


A esposa de Isaque também era estéril e obteve a dádiva da concepção depois que seu marido orou por ela.


Ela gerou os gêmeos Esaú e Jacó, um fato curioso é que as crianças brigavam em seu ventre o que refletiria a relação dos dois ao longo da história, eles foram progenitores de duas nações notórias da Bíblia, o povo Judeu e os edomitas.


Depois disso Rebeca não teve mais filhos. (Ver Gn 25:21)


3 RAQUEL


O patriarca Jacó era casado com duas irmãs, Lia e Raquel, filhas de um homem esperto chamado 'Labão'. Ele porém amava mais a Raquel, tendo em vista que seu sogro o enganou na noite de núpcias, Lia acabou sendo desfavorecida. (Gn 29:25)


A segunda esposa de Jacó era ansiosa por um filho e competia com sua irmã Lia, que teve 7 filhos, ela se via angustiada com sua situação e cobrava de Jacó que lhe desse um filho, o que acerca disso ele nada podia fazer.


Raquel gerou um filho chamado José, depois de uma vez dizer a seu marido: 'Dá-me filhos se não morrerei' (Gn 30:1), o nascimento dessa criança foi marcado por uma experiência inusitada onde no contexto é citada uma planta afrodisíaca de nome 'mandrágora', que possivelmente tenha tido algum efeito na cura da esterilidade de Raquel.


A ironia da história é que aquela disse 'dá-me filhos se não morrerei' morreu exatamente em trabalho de parto de seu segundo filho Benjamim. (Ver Gn 35:18)


4 SIFRÁ E PUÁ


As duas parteiras que eram responsáveis pelo controle de natalidade das crianças hebreias no Egito, elas foram comissionadas por Faraó para matar as crianças do sexo masculino logo que nascessem, porém descumpriram a ordem do rei e em consequência disso a Bíblia afirma que Deus as abençoou permitindo que elas constituíssem família. (Ver Ex. 1:21)


5 MÃE DE SANSÃO


A Bíblia não registra o nome da mãe de Sansão, apenas do pai que se chamava 'Manoá'.


Sua esposa também era estéril e recebeu a visita de um anjo dizendo que ela iria engravidar e deveria seguir um rígido regime pré-natal consagrando o futuro filho a ser 'nazireu' de Deus, o que envolvia entre outras coisas, o fato de não lhe deixar cortar o cabelo.


Esse anjo apareceu duas vezes para lhe dar as instruções, inclusive na segunda vez ele desapareceu de forma sobrenatural subindo na fumaça de um fogo que havia sido acesso para oferenda. (Ver Jz 13:19,20)


6 ANA


A mãe do profeta Samuel vivia um relacionamento disfuncional, tendo em vista que seu esposo 'Elcana' teve que adquirir um segunda mulher que lhe gerasse filhos, já que ela não tinhas filhos e a sociedade naquela época considerava uma maldição para a família tal condição, tendo em vista que seu marido não poderia suscitar um descendente que lhe preservasse o nome e herdasse seus bens.


Isso fez com que Ana sofresse constantemente afrontas de sua rival, o que a levou a buscar a Deus em oração, prometendo que caso concebesse, traria o filho como devolvido ao Senhor para o servir no Santuário.


A oração foi ouvida e o menino Samuel foi trazido ao templo por sua mãe quando o desmamou.


Como resultado de sua fidelidade Deus abençoou a vida de Ana com um homem de Deus que teve um papel extraordinário na história de seu povo, Samuel foi um dos maiores profetas e líderes mencionados na Bíblia sagrada.


Além dele, ela teve outros três filhos e duas filhas. (Ver 1 Sm 1 e 2)


7 ISABEL


Essa era prima da virgem Maria e esposa de Zacarias, o qual recebeu o aviso do anjo Gabriel enquanto ministrava no templo de Herodes em Jerusalém.


Zacarias ficou mudo durante toda o período da gestação de Isabel e só voltou a falar quando a criança nasceu para lhe dar o nome de João, conforme fora informado pelo anjo. (Ver Lc 1:7)


ADENDO


Além dessas, também houveram outros casos de mulheres impossibilitadas de gerar filhos na Bíblia, foram elas:


Micalfilha de Saul que casou com Davi. (2 Sm 6:23)


A mulher sunamita, que fez um quarto em sua casa para hospedar o profeta Eliseu, que em resposta à sua generosidade intercedeu por ela para que engravidasse. (2 Re 4:16)


O filho dessa mulher acabou morrendo um tempo depois, mas foi ressuscitado pelo profeta. (Ver 2 Re 4:36)


A mulher de Abimeleque, Rei de Gerar, e suas servas ficaram estéreis por causa de Sara, esposa de Abraão, por que ele a tomara por engano como uma de suas concubinas no harém real.


Depois de descoberto o engano, ele pediu que Abraão a levasse, Abraão orou e Deus curou as mulheres e elas puderam gerar filhos novamente. (Ver Gn 20:17,18)


CONCLUSÃO


Nos tempos bíblicos, as mulheres eram muito mais suscetíveis a sofrerem com problemas de esterilidade, principalmente as mulheres da genealogia sagrada.


Isso ocorria de certa fora para que Deus manifestasse sua vontade de forma direta, levando as pessoas a sentirem a necessidade de que o buscassem para que assim ele realizasse suas maravilhas no mundo, de forma que o louvor fosse dado apenas a ele, provedor de toda boa dádiva. (Ver Tg. 1:17)


Veja também - 8 Orações Poderosas da Bíblia

As 5 vezes que Deus se arrependeu

deus se arrepende

A Bíblia registra 5 (Cinco) ocasiões em que Deus se arrepende de algo, veja quais foram elas.


CITAÇÕES


1 Gênesis 6:5-7


Por ocasião do dilúvio a maldade desencadeada pela descendência de Caim, gerou um estado de violência, imoralidade e criminalidade que acarretou um estado de tristeza no coração de Deus...


"Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração; então, se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração. Disse o SENHOR: Farei desaparecer da face da terra o homem que criei, o homem e o animal, os répteis e as aves dos céus; porque me arrependo de os haver feito."


Lição Escola Sabatina Power Point (Infográfico)

lição escola sabatina power point pdf infografico

O projeto 'infolição' tem a proposta de abordar os temas semanais das escola sabatina por meio de infográficos interativos compartilhados nas redes sociais.


O conteúdo dos infográficos são organizados em Slides Power Point para serem apresentados nas unidades de ação nas igrejas Adventistas.


Modelo Certificado de Batismo Adventista

modelo-certificado-batismo-adventista

Baixe aqui o modelo de certificado de Batismo Adventista para membros ingressantes na Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD).


O arquivo pode ser editado no Word para que você insira as informações pessoas do candidato e do pastor oficiante.


As 8 incoerências da parábola do rico e Lázaro

 

incoerências da parábola do rico e Lázaro

A Parábola do Rico e Lázaro


1. Hoje responderemos a uma questão levantada pelos imortalistas: Se os adventistas não creem que os justos vão para o Céu e os ímpios vão para o Inferno, logo após a morte, como podem explicar a história do Rico e Lázaro, narrada pelo próprio Cristo? 


Se o relato não ensina que o homem vai ou para o Céu ou para o Inferno, então, o que ensina a história?


2. Começaremos dizendo que realmente NÃO CREMOS que os justos vão para o Céu e os ímpios para o inferno logo após a morte. Este não é o ensino da Bíblia. 


A Bíblia ensina que os mortos tanto justos como injustos vão todos para a sepultura e aguardam a ressurreição e o Juízo, e só depois serão destinados para diferentes lugares, conforme os resultados do Juízo.


3. Mas, então, COMO ENTENDER a História do Rico e Lázaro?


Luc 16:19-31:


Técnicas de apelo para evangelismo público

Técnicas de apelo para evangelismo público


Robert Boothby, professor de evangelismo, foi perguntado pelos jovens estudantes qual o segredo da eficácia de seus apelos que conquistavam grande número de decisões, enquanto poucas decisões eram alcançadas pelas pregações dos jovens pregadores.


- “Jovem, você  não espera alcançar decisões cada vez que você prega, não é certo?”


Até que você pregue como se esperasse que muitos se decidam, você sempre terá poucas decisões.” Sermão evangelístico não é aquele que apenas informa, mas transforma, pela avenida do apelo.


Fazer apelos é essencial para o cumprimento do propósito da pregação evangelística.  Fazer apelo é bíblico.


Apelos bíblicos:    “Onde estás?”- Gn. 3:9.

                              “Quem é do senhor venha até mim” – Ex. 32:26.

      “Escolhei hoje a quem sirvais”- Js. 24: 15.


Jesus chamou os homens  publicamente:

Pedro 

Mateus

Zaqueu


Apelos no Movimento do Advento em 1844.


Falando do movimento do advento de 1843 e 1844, Ellen G. White descreve o tipo de apelos que levavam pecadores à verdadeira conversão:  


“Freqüentemente um apelo era feito para os que  criam nas verdades que haviam sido provadas pela Palavra para que  se levantassem, e grande número atendia.” Evangelismo, p.284.   


Perceba dois elementos nessa sentença: o apelo foi feito ao intelecto – aqueles que “criam nas verdades provadas pela Bíblia ” eram convidados  a uma resposta.  Mas as emoções também faziam parte do processo de decisão, pois eles eram convidados à frente. Quando a pessoa é inteligentemente informada e está convicta, as emoções estimulam a vontade de tomar  a decisão. 


Como resgatar ex-membros da igreja

resgantando ex membros iasd


Buscando as Ovelhas Perdidas


Tipos de afastados difíceis de resgatar:


1 – Ex-empregados de Instituições Adventistas – Por alguma razão uma instituição se torna impessoal. Não é prudente encorajar novos membros a se empregarem em instituições. Eles perdem o amor e o toque pessoal da igreja, pois a instituição se relaciona mais na base comercial.


2 – Ex-professores – Um dos mais difíceis tipos. Geralmente são frios e calculistas. Pessoas nessa categoria não se convencem com argumentos doutrinais.


3 – Profissionais da saúde – O treinamento acadêmico, a irregularidade de tempo, a pressão do dever, a associação com o mundo e a prosperidade financeira desgastam a sua conexão com a igreja. Os que sobrevivem a tudo isso se tornam dedicados membros da igreja, mas muitos decidem não mais pertencer à igreja. São difíceis de aproximar porque são sempre ocupados.


4 – Neuróticos espirituais – Alguns se tornam obstinados pela pseudopsicologia, espiritismo, mania por tratamentos naturais, pentecostalismo, sonhos e visões. Não se pode fazer muito por eles. Alguns abandonam suas excentricidades e voltam à normalidade, mas uma vez conectados à igreja, podem criar danos à harmonia dos membros.


5 – Financeiramente prósperos – Alguns caem nos tentáculos da prosperidade e associações comerciais. Tornam-se orgulhosos e de “nada têm falta”. Seu ouro é seu deus. Pouco se pode fazer por eles até que as circunstâncias os levem à necessidade.


6 – Intelectualmente orgulhosos – Alguns são jactanciosos de seu ceticismo, suas dúvidas e sua habilidade de encurralar o pregador em uma discussão. Argumentar é perda de tempo, pois são firmes em suas opiniões.


7 – Facções independentes – Provavelmente sejam ex-obreiros ou líderes da igreja. Saíram pelo orgulho e rebelião e tiveram grande satisfação em lutar contra a igreja.

Operação Entebbe: resgate criativo


Assimilando novos membros na igreja

Assimilando novos membros na igreja


A. Como  desenvolver uma estratégia de assimilação:


1. Crie uma consciência de assimilação. Isso não ocorre naturalmente. Em cada grupo, departamento, treinamento, reunião mencione a importância de ser aberto e amigável aos visitantes.


2. Desenvolva uma estratégia de assimilação

a) Coordenados por “padrinhos da fé”.

b) NINHO – núcleo de integração, nutrição e prosperidade – coordenar o rodízio de refeições entre os novos membros, tirar fotos em seu batismo, etc.


3. Crie oportunidades de construir relacionamentos

a) Programe eventos tais como: pic nics, esportes, noites sociais, almoços comunitários.


As 4 crises do novo membro

As 4 crises do novo membro


1 – A Crise de Desencorajamento 


Essa crise ocorre quando um indivíduo falha em corresponder aos altos padrões que ele desposou imediatamente antes do seu batismo. No batismo ele comprometeu-se publicamente com esses padrões. 


Mas depois, ele geralmente percebe que tendências de sua velha vida ainda estão presentes. Ele pode ainda ter acessos de mau humor. Pode quebrar o sábado, ou mesmo “escorregar” e xingar. Quando esses velhos hábitos o dominam novamente, pode haver um período de grande desânimo. 


Um sentimento de derrota o envolve. Desencorajado, com baixa autoestima, ele pode se sentir um  hipócrita. Sua reação natural é fugir do contato com a igreja que ele fez compromissos no batismo. A culpa levou Adão e Eva a fugirem da presença de Deus. Ele fez o mesmo.


A importância da oração no evangelismo

importância da oração no evangelismo


A DIFERENÇA É A ORAÇÃO !

Cinco recém graduados estudantes de teologia visitavam Londres, emocionados com a oportunidade de ouvir algum destacado pregador antes da sua ordenação  para o ministério. 


O forte sol de verão os castigava  enquanto aguardavam  que as portas do tabernáculo de Spurgeon fossem abertas, a mesma igreja do mais famoso pregador daquele tempo. 


Um estrangeiro  se aproximou deles e lhes disse: "Enquanto vocês estão esperando, não gostariam de ver o sistema de aquecimento da igreja ?” 


Ver o sistema de aquecimento em um dia abrasador de julho era a última coisa que eles tinham em mente, mas consentiram. Foram conduzidos  alguns degraus abaixo para uma porta no subsolo. O guia abriu a porta e sussurrou em tom baixo : "Este é o sistema de aquecimento de nossa igreja”.


Os jovens pastores viram diante deles 700 pessoas ajoelhadas em oração suplicando as bênçãos de Deus para a reunião evangelística que seria conduzida no salão superior. O guia desconhecido se apresentou como o próprio Charles Spurgeon.


O Espírito Santo e a missão da Igreja

o espirito e a missao da igreja


VENCENDO OS OBSTÁCULOS INTRANSPONÍVEIS COM O PODER DE ESPÍRITO SANTO


- Gigantes e montanhas representam os grandes obstáculos na história do povo de Deus do passado.

- Contemplando da perspectiva contemporânea, poderíamos pensar que os atos heroicos do passado, parecem mais adequados para histórias de crianças.


a) Davi e Golias – I Samuel 17: 45-47

b) Outros gigantes – II Samuel 21: 15-22


I.  GIGANTES E MONTANHAS NA HISTÓRIA DO POVO DE DEUS


Desafio de evangelização nas grandes cidades

como evangelizar grandes cidades


-  Alguns dados importantes

- em 1850, menos de 3% da população mundial vivia em cidades.

- No ano 2000 estima-se que mais de 50% da população viverá nas cidades

- Em 1950 havia somente sete cidades com mais de 5 milhões de habitantes

- No ano 2000 estima-se que 93 cidades terão mais de 5 milhões de habitantes e mais de 300 terão um milhão ou mais de habitantes

- 80% das megalópoles estarão na Ásia, África e América Latina


I.  A TEOLOGIA DA CIDADE


1. As cidades na Bíblia

a) Sinônimos de maldade e pecaminosidade


- Sodoma e Gomorra

- Babilônia, a real e a simbólica


b) A atitude de Deus para com as cidade


- Desejo de que se arrependam e se salvem – Jonas 4:11

- Jesus chorou sobre Jerusalém – S. Mateus 23:37

- Possibilidade de salvação através da oração intercessória dos justos – Gênesis 18:22-23


8 Aulas sobre Igreja Missionária

8 Aulas sobre Igreja Missionária


Aula nº 1

A IGREJA E O MUNDO:

INTRODUÇÃO A UMA TEOLOGIA BÍBLICA DA MISSÃO


I – A MISSÃO NO MUNDO


1. Considerações em relação à Grande Comissão

a) A Dimensão Geográfica: “Ide por todo o mundo”. S. Marcos 16:15

b) A Dimensão Antropológica: “A toda criatura”.

c) A Dimensão Eclesiástica: “Ide e fazer discípulos”.

d) A Dimensão Teológica: “e que... se pregasse”. S. Lucas 24: 46-48.

e) A Dimensão Soteriológica: “quem crer...”. S. Marcos 16:16.

f) A Dimensão Carismática: “Estes sinais...”. S. Marcos 16: 17-18.


2. Considerações em relação às Mensagens Angélicas

A Dimensão Étnica: “A toda nação, tribo, língua e povo”. Ap. 14: 6.

A Dimensão Mundial: “Toda a Terra foi iluminada”. Ap. 18: 1.

A Dimensão Profética: “que ainda profetizes a respeito de muitos povos, nações, línguas e reis”. Ap. 10: 11.


3. Considerações em relação à Oração do Envio – S. João 17: 11-18

- Cristo envia seus seguidores ao mundo – verso 18

- O mundo é o lugar de ação: não podemos retirar-nos dele – versos 11, 15

- Há uma tensão entre “estar no mundo” e “não ser do mundo” – versos 14-17

- Cristo estava preocupado por Seus seguidores – versos 11-15